segunda-feira, 20 de novembro de 2017

A Santa Missa: Ritos iniciais


Oração da 33ª Semana do TC

Nesta 33ª Semana do Tempo Comum a Oração da Coleta (Oração do Dia) nos lembra que a verdadeira alegria está servir a Deus de todo o coração.
Que durante essa semana possamos tomar consciência da importância de servir a Deus em todos os lugares e situações do nosso cotidiano.
Servir a Deus é o que completa a nossa felicidade. 
Sirvamos a Deus, sempre, com alegria.

Oremos:
Senhor nosso Deus, fazei que a nossa alegria consista em vos servir de todo o coração, pois só teremos felicidade completa servindo a vós, o criador de todas as coisas. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Pe. Marcio Canteli

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

5 passos para uma boa confissão


1 – Exame de consciência
Num momento e local adequados, isto é, calmo e silencioso, com sinceridade de coração, coloque-se em oração e reflita sobre tudo aquilo de mal que você pensou, disse, fez ou não fez, ou seja, pensamentos, palavras, atos e omissões.
Um bom exame de consciência deve conter os pecados cometidos contra Deus, contra o próximo, contra si mesmo e contra a criação (natureza).
Os Dez mandamentos, os sete pecados capitais ou um roteiro de exame de consciência pode te ajudar nessa reflexão.
Os pecados mais graves, ou seja, aqueles que mais te fizeram sentir culpado desde a última confissão são os que você deve dizer ao sacerdote.

Anote para não correr o risco de esquecê-los.

2 – Contrição ou Arrependimento
Não adianta dizer ao sacerdote as suas falhas se você não se arrependeu delas.
Antes de confessar-se é preciso tomar consciência da gravidade do mal cometido.
Perceber o quanto o seu pecado prejudicou a si mesmo e aos outros.
Essa vergonha ou essa dor na alma vai te ajudar a emendar-se.
A rejeição ao pecado inclui o firme propósito de não voltar mais a pecar.
Somente depois de um verdadeiro arrependimento é que você deve procurar o padre.
Se você ainda não se arrependeu continue rezando e pedindo a graça da contrição.

3 – Confessar
Procure o sacerdote nos momentos que ele se dispõe a atender.
Diga os seus pecados de forma clara, concreta, concisa e completa.
Clara: indicar qual foi a falta específica, sem acrescentar desculpas ou outros culpados.
Concreta: dizer de forma precisa, não usar frases genéricas.
Concisa: evitar das explicações ou descrições desnecessárias.
Completa: vencer a vergonha e não calar nenhum pecado grave.

4 – Conselho
Não se preocupe com “o que o padre vai pensar de mim?” Ele não está ali para te condenar, mas para te ajudar a se reconciliar com Deus.
Competente ao ministério sacerdotal acolher, ouvir e apontar a direção certa.
Após te dar uma orientação o padre te pedirá para rezar um ato de contrição e te dará a absolvição estendendo as mãos sobre sua cabeça e rezando a fórmula própria para isso.
Neste momento o padre está agindo com autoridade divina. Quando ele diz “Eu te absolvo dos teus pecados...” é o próprio Cristo que está te perdoando.
“O confessionário é o único tribunal do mundo onde você se declara culpado e sai absolvido” nos diz o Papa Francisco.

5 – Cumprir a penitência
Todo mal cometido causa um dano físico ou espiritual. Para reparar esse prejuízo causado pelo seu pecado você deverá cumprir uma penitência.
O sacerdote te indicará certos atos de penitência como uma oração, uma obra de caridade, etc.
É importante cumprir esses gestos para se retomar a santidade perdida pelo pecado e voltar a ser um bom cristão.

Padre Marcio Canteli
Sacerdote da Diocese de Bragança Paulista


Diferenças entre Católico e Espírita